No Haiti …

«Há qualquer coisa de insuportável nesta imagem. No meio dos escombros o fotógrafo enquadrou uma cruz intacta. Por entre as ruínas, vestígio da morte, da desgraça e do mal, um cruzeiro permaneceu “gloriosamente” incólume. Mas dessa aparência e “mensagem” vitoriosa absurda desprende-se uma outra verdade: esta cruz já era ali, antes do terramoto destruir a cidade, sinal da fragilidade e da ruína. Ainda erguida não é milagre – e que Deus ridículo deixaria morrer milhares de pessoas e salvaria uma representação? Ela é o que era: sinal profético e paradoxal da miséria e da sobrevivência. O eco de um Deus que se esvaziou de si mesmo, compassivo, e se fez igual a nós. Precário e mortal. Pobre entre os pobres. E que agora sofre ali com quem sofre. Uma ruína humana-e-divina entre ruínas. É o sofrimento enfrentado e vencido que estava já lá, antes deste que agora aconteceu. Não é um deus intacto, intocável, no seu pedestal afastado e separado da vida comum, mas o que desce ao reino dos mortos – ao nosso, que somos aqueles que vamos morrrer – e que anuncia que a morte não tem a última palavra. É o mestre que indica uma vida em abundância, da qual participamos e que permite que depois do terror a reconstrução recomece. Porque, como sabia Teresa de Ávila, “Tudo passa”.

Agora percebo porque me incomoda esta fotografia. Lembro-me de ter visto numa Igreja de Varsóvia o fragmento de uma escultura barroca, em bronze, de Cristo crucificado, que tinha sido destruída num borbadeamento durante a Segunda Guerra Mundial e que um artista recuperou e completou numa linguagem contemporânea sem apagar a memória do que sofreu. Um Cristo destruído e redivivo. Como a repetida história humana. E vou ser sincero: preferia que também esta cruz tivesse caído, porque é esse o movimento cristão mais autêntico: estar ao lado, ao mesmo nível, entre os homens, nas condições concretas da sua existência, lavando-lhes os pés. Neste caso, entre os despojos e as ruínas. Para aí ser sal e luz, renovação e esperança.

Mas do que ali aconteceu e se experimenta o que sei eu?

(Silêncio). »

Paulo Vale

in: http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?&id=77285

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s